Follow by Email

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Edição deste mês da revista Radis alerta para os desafios das leishimanioses

A edição deste mês da Revista Radis (número 143 - agosto 2014) destaca, na reportagem de capa, as leishmanioses - grupo de doenças negligenciadas de difícil diagnóstico, controle e tratamento, que causam de 20 mil a 30 mil mortes por ano em todo o mundo. Na matéria, o repórter Bruno Dominguez faz um alerta: o aumento da letalidade e a velocidade com que a doença se expande para o meio urbano se contrapõem às medidas de prevenção, informação para diagnóstico precoce e desenvolvimento de vacinas e medicamentos alternativos - que não avançam na velocidade necessária. “É uma doença complexa, que demanda resposta complexa”, resumiu a pesquisadora do Laboratório Insterdisciplinar de Pesquisas Médicas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), Claude Pirmez.
Ainda de acordo com o texto, as leishmanioses são endêmicas em 98 países, atingindo em especial nações em desenvolvimento, dada sua relação com pobreza, habitação precária e subnutrição. “O Brasil está na lista dos países que concentram 90% dos 1,3 milhão de novos casos registrados por ano no mundo, junto de Bangladesh, Índia, Etiópia, Nepal e Sudão”.
Outra reportagem de destaque traz os resultados da pesquisa Nascer no Brasil, coordenada pela pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública Maria do Carmo Leal. Intitulada Nascer é normal, a matéria revela que os índices brasileiros de cesariana estão longe das taxas decrescentes apresentadas pelos países desenvolvidos: "do total de partos realizados em todo o Brasil, entre fevereiro de 2011 e outubro de 2012, 52% foram cesarianas. No setor privado, que atende, em sua maioria, mulheres com mais escolaridade e maior poder aquisitivo, os índices chegam a 88% dos nascimentos", revela.
Ainda são destacadas a falta de preparo das mães para o parto, a predominância da medicalização abusiva, a legislação e no texto "Recursos jornalísticos para a defesa velada da cesariana", a Radis analisa uma reportagem produzida por um jornal de grande circulação que encobre a opção por esse tipo de parto.
Leia ainda as matérias Clima Quente, Em defesa da Política Nacional de Participação e um perfil do médico sanitarista David Capistrano. Acesse também as seções Cartas, Súmula, Toques, Serviço e Pós-Tudo, que homenageia Gilson Carvalho.

0 comentários:

Postar um comentário